O Maior Amor

   Os dias passam, mas sinceramente, isso não faz diferença. Poderia ser três horas da tarde por três dias seguidos que eu estaria aqui, sem perceber o tempo não passar por meu rosto. Tem algo esquisito no ar, que não me deixa perceber as coisas mudando. Mesmo que essa mudança seja em mim.

   Eu mudei. As pessoas mudam, oras. Mas eu estou me estranhando. Eu não sou quem eu conheci a alguns poucos anos atrás. Eu sou um cara estranho, despreocupado e relativamente feliz. Quando eu me conheci, eu era mais preocupado com as coisas e com as pessoas. Eu era mais normal, não tão fora do padrão. Eu continuava feliz, mas era um pouco mais baixo e minha voz não era tão grave.

   Tenho rugas e cabelos brancos, mas nem passei dos vinte. Reclamo das coisas que nem me preocupar de verdade me preocupam. Reclamo só pelo direito que tenho de fazer isso. Parei de me importar se meus textos estão com um português corretíssimo, ou se meus poemas tem um tom mais barroco. Que se dane.

   Meus óculos estão sempre sujos. Meus olhos estão sempre vendo sujeira mesmo, pra que limpar? Minhas camisas estão sempre um pouquinho amassadas, algumas mais largas, outras mais justas. Minhas calças, todas elas, tem um pequeno rasgo, alguma imperfeição. Minha meia predileta tem um enorme rasgo no pé direito e meu casaco cheira a laboratório. Meu boot está constantemente cheio de lama. Amo todas as minhas roupas, e não as trocaria por nada.

   A mesa do meu computador tem tantas coisas que eu deveria fazer uma série de textos pra descrever a importância deles pra mim. Uma foto dos meus amigos, uma ocarina e uma lavalamp. Dois carrinhos e um envelope de remédio pra dor de cabeça. carregadores de pilhas e uma agenda da faculdade. Um porta canetas, um porta CDs e os emblemas do Pedro II. Tantas coisas que me orgulho de ter que não se imagina.

   O porque desse texto tão estranho e diferente? Pelo mesmo motivo de eu ser tão estranho e diferente: Porque eu quero. E eu gosto. E eu amo ser assim. Eu me amo, é por isso.

5 Comentários:

só doações
Este comentário foi removido pelo autor.
­Nanda

Seja quem você quer ser, é o ideal, modinhas de personalidade não levam ninguém a lugar nenhum e ser quem você gosta de ser é o que pode te levar a felicidade, é isso aí. Gostei MUITO do teu texto :)

Thiago Ganon

Mto foda!!!! Como vc disse, bem diferente dos textos que vc costuma postar. Não tem aquela finalização objetiva que os outros costumam ter, tá mais pra se expressar e que se dane o resto...

Gostei muito, kra!! Forte abraço! :)

Monie

"Meus óculos estão sempre sujos. Meus olhos estão sempre vendo sujeira mesmo, pra que limpar?" Te entendo... Achei essa frase, em particular, foda! =]

Adorei o texto, sério mesmo!
Deve ser uma sensação ótima gostar tanto do que você é hoje.

Parabéns pelos seus textos *-*

Nane

Uallllllllllllllll..

muito bom mesmo.....Diferente..
Parabéns....^^

Postar um comentário

Return top